30/07/2015

[Resenha] A Rainha Vermelha – Victoria Aveyard

Oiii Pessoas lindas!

Como não só de romances (hot) vive uma blogueira/leitora-compulsiva, uma das minhas ultimas leituras foi A Rainha Vermelha, primeiro livro da trilogia de mesmo nome, da autora Victoria Aveyard.

Esse livro é meio que uma mistura de  A Seleção, Divergente e Jogos Vorazes, séries que eu amo de paixão. Vem comigo saber mais sobre mais essa história incrível.

Rainha Vermelha Pt 1

Sinopse:

O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses.

Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso… Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho?

Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe – e Mare contra seu próprio coração.

Então, amores, mesmo sabendo que vários outros blogs fofos já falaram sobre A Rainha Vermelha, resolvi escrever mesmo assim, porque como falei lá em cima, realmente sou muito fã desse tipo de leitura e como não escrevi nenhuma resenha sobre o gênero ainda, (pena….) vou corrigir minha falta com esse aqui. #souDessas

Essa história se passa em uma realidade um pouco diferente na nossa. Um lugar dividido pela guerra entre os diferentes países que enfrentam também uma guerra interna. Seu próprio povo é dividido pelo sangue, os ricos possuem sangue prateados e os pobres, humildes e trabalhadores possuem sangue vermelho. Como se as diferenças não fossem suficientes, os Prateados também tem super-poderes. Alguns têm força sobre-humana, outros controlam o fogo, outros a água, alguns fazem as plantas crescerem e por aí vai. Esse é para mim o diferencial da história.

Nossa heroína e narradora da história é a Mare, uma Vermelha que mora no vilarejo de Palafitas. Ela tenta ajudar a família como pode, realizando pequenos furtos e levando os ganhos para casa. Mare está quase completando dezoito anos, o que para os Vermelhos que não encontram trabalho é quase uma sentença de morte. Eles serão convocados pra a guerra e como é praticamente impossível arrumar emprego, esse é bem dizer o futuro certo de Mare, assim como o de seus três irmãos mais velhos que já estão servindo. Mare tem também uma irmã mais nova que é um tipo de costureira, ela está salva do recrutamento obrigatório já que possui um oficio que possivelmente será a salvação de toda a família.

– Deixe os brincos – minha voz sai forte e dura. Nobre. – Você pode trocar tudo, menos os brincos.

As três peças de metal barato – cada uma de um irmão – não vão a lugar algum.

Paralelo a isso, Mare também tem um grande amigo, Kilorn, que era aprendiz de pescador e estava livre da guerra até seu mestre morrer. Ele agora seria convocado e isso deixou Mare desesperada.

Ela tentar fazer um acordo para fugir de Palafitas, levando Kilorn com ela, que custaria mais dinheiro do que ela poderia juntar durante um ano. Assim Mare se desespera e tenta conseguir a quantia da única forma que ela conhece, roubando. Ela se depara com um estranho que percebe que ela estava tentando rouba-lo, mas o estranho ao invés de denuncia-la lhe dá dinheiro.

Em meu mundo perfeito, Maven não precisaria esconder seus sentimentos, e eu não precisaria esconder quem sou de verdade. Cal não teria coroa para usar, nem trono para proteger. Essas pessoas não teriam paredes atrás das quais se esconder.

A aurora chega para todos vocês.

No dia seguinte, Mare é convocada pra ir trabalhar no palácio e descobre que o estranho que a ajudou na verdade é o príncipe Cal, herdeiro do trono de Norta.

E é aí que a vida de Mare muda da água suja para o vinho (Chiant na minha opinião), porque durante a escolha da noiva de Cal, que é na verdade uma competição de talentos entre as filhas da nobreza Prateada (achei bem A Seleção), Mare descobre que também possui super-poderes. Mesmo sendo uma Vermelha, o que a torna uma ameaça. Então ela acaba como noiva do príncipe mais novo, irmão de Cal, Maven.

Em vez de roubar essa gente, tenho que servi-la. Não sei se a Mare Barrow da semana passada riria ou choraria de sua nova tarefa. Mas ela foi burra, e agora eu pago por isso.

A partir daí, a história toma outro rumo, já que Mare não é mais a pobre criada vermelha morta de fome, mas sim a futura princesa de Norta.

Durante toda a leitura eu tive aquela sensação de que o livro ia acabar mal, foi uma insegurança enorme. Li com o coração apertado. Deve ser trauma das outras séries que eu li. (ainda sofro pelo final de Jogos Vorazes) E as semelhanças entre as séries que falei lá em cima são enormes mesmo. O que não é ruim, claro. Rsrs

Contra meus instintos, levo a mão ao braço de Cal, que não desvia. Agora, não parece um príncipe ou um general, não parece nem um prateado, mas o garoto no bar, aquele que tentou me salvar.

Acabei envolvida pela história de romance adolescente, claro, e me apaixonei por um dos príncipes. (quem me segue aqui no blog deve estar pensando: Aff! Como sempre! 😞 #sorry) Só que eu achava que tinha me apaixonado pelo príncipe errado o tempo todo, mas no final eu soube que meu coração acertou. 😛 Por isso não vou contar para vocês quem é ele. rsrsrsrs #noSpoilers

Só eu consigo me apaixonar pela história de amor adolescente em um livro onde o foco é a luta pela igualdade das pessoas. Sou uma romântica incorrigível.

Todo mundo trai todo mundo.

A Mare me irritou com as atitudes dela às vezes, ela foi cega e teimosa. Que raiva!!! Por mais que eu tentasse entender que ela teve uma vida horrível de sofrimento e fome e que não seria páreo para o “Game Of Thrones” do Palacete, isso não serviu para amenizar a irritação que as ações dela me causaram. Mas ela é uma daquelas personagens que inspiram afeto. Mesmo me dando raiva as vezes eu sou #teamMare.

Rainha Vermelha Pt 2

Amores, essa é mais uma trilogia que vai virar filme, pois já teve os direitos vendidos para os estúdios Universal. Em seu site a autora diz que a série terá continuações em 2016 e 2017, e o segundo livro irá se chamar Glass Sword (Espada de Vidro, em tradução livre).

A Rainha Vermelha

A Rainha Vermelha, livro 1

Victoria Aveyard

Editora Seguinte

Classificação: ★★★★☆ (4)

 

Também é fã do gênero? Tem a venda aqui:

Livraria da Travessa  Livraria Cultura Livraria da Folha Americanas

 

Já leu? Me conta o que você achou!

Bjos 1000!

 

Jaque

Jaque

Carioca, casada e apaixonada por livros. Lê de tudo, mas prefere romances.Totalmente Disney Freak, ama tudo que a Disney produz. O apertamento onde mora quase não comporta o tamanho do amor pelos livros (agora compra mais e-books), até porque, metade de mim ama ler e a outra metade está ali com um livro na mão.

"...as lost as Alice as mad as the Hatter"
Jaque

2 Comentários

  1. Luh Campanha says:

    Esta se falando muito destes livros antes de me aventurar na nova saga e gastar o que não tenho pra compra los kkkk vim aqui e voce não decepciona nas suas resenhas.
    Como não só de romances (hot) vive uma blogueira/leitora-compulsiva adorei esta frase kkkkk.

    • Jaque
      Jaque says:

      Oiii Luh!
      Que linda você! Amei saber que você passou por aqui para “pequisar”! Obrigada pelo carinho.
      Bjos 1000!

Deixe um Comentário